Estudo associa estrutura do cérebro a sociabilidade

por

Imagem computadorizada de um cérebro

Imagem computadorizada de um cérebro mostra amígdalas em cor azul

Cientistas americanos dizem ter encontrado uma associação entre a sociabilidade de um indivíduo e o tamanho de sua amígdala – pequena estrutura de forma amendoada encontrada no cérebro, e não o órgão na garganta.

O estudo, feito por pesquisadores do Hospital Geral Massachusetts e da Universidade Northeastern, em Boston, Massachusetts, foi publicado na revista científica Nature Neuroscience.

O trabalho confirma resultados de estudos anteriores, envolvendo outras espécies de primatas, mostrando que animais que vivem em grupos sociais maiores têm amígdalas maiores.

“Sabemos que primatas que vivem em grupos sociais maiores têm uma amígdala maior, mesmo quando se leva em conta o tamanho total do cérebro e do corpo”, disse Lisa Feldman Barrett, que chefiou o estudo.

“Consideramos uma única espécie de primata – a humana – e descobrimos que o volume da amígdala se correlacionou positivamente com o tamanho e complexidade de redes sociais em humanos adultos.”

Os pesquisadores também analisaram outras estruturas subcorticais dentro do cérebro e não encontraram evidências de um relacionamento similar entre essas estruturas e a vida social de humanos.

Também não foram encontradas associações entre o volume da amígdala e outras variáves sociais na vida de humanos – como índices de satisfação social, por exemplo.

“A associação entre o tamanho da amígdala e o tamanho e complexidade da rede social foi observada tanto em indivíduos mais velhos como mais novos, homens e mulheres”, disse Bradford Dickerson, da Escola Médica Harvard, em Cambridge, Massachusetts, outro cientista que participou do estudo.

“E a associação é específica à amígdala, porque o tamanho e complexidade da rede social não foram associados ao tamanho de outras estruturas do cérebro”, acrescentou.

Questionários

Os pesquisadores pediram aos 58 participantes do estudo que respondessem perguntas sobre o tamanho e a complexidade de suas redes sociais.

As perguntas se referiam ao número total de contatos sociais regulares que cada participante mantinha, assim como o número de grupos diferentes a que esses contatos pertenciam.

Os participantes, com idades entre 19 e 83 anos, também foram submetidos a exames de ressonância magnética para que os cientistas pudessem obter informações sobre uma série de estruturas presentes no cérebro, incluindo o volume da amígdala.

Barrett disse que os resultados do estudo são consistentes com a “hipótese do cérebro social”, uma teoria segundo a qual a amígdala humana teria evoluído em parte para permitir que o homem lidasse com uma vida social cada vez mais complexa.

“Mais pesquisas estão sendo feitas para tentar estabelecer de que forma a amígdala e outras regiões do cérebro estão envolvidas no comportamento social de humanos”, ela disse.

“Nós e outros pesquisadores estamos tentando entender também como anormalidades nessas regiões do cérebro podem prejudicar o comportamento social em distúrbios neurológicos e psiquiátricos.”

 

escrito por Valdecy Carneiro

Psicólogo, Doutorando em Psicologia, Especialista em Medicina Comportamental pela UNIFESP. Desenvolvedor da metodologia Reprogramação Mental em 10 Sessões com PNL & Hipnose. E referência no ensino de Hipnose Clínica.

Você pode gostar também

Entrevista com Madalena Junqueira

Entrevista com Madalena Junqueira

Olá! Neste vídeo você pode ouvir o áudio do Programa Reprogramação Mental que foi exibido na Rádio Mundial, em São Paulo, no dia 23/03/2013, onde você poderá...

Dependência Química

Dependência Química

Olá! Neste vídeo você pode ouvir o áudio do Programa Reprogramação Mental que foi exibido na Rádio Mundial, em São Paulo, no dia 04/05/2013, onde falo sobre...

Entrevista com Ronaldo Nascimento

Entrevista com Ronaldo Nascimento

Olá! Neste vídeo você pode ouvir o áudio do Programa Reprogramação Mental que foi exibido na Rádio Mundial, em São Paulo, no dia 09/03/2013, onde você poderá...

COMENTÁRIOS

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *